Sem Categoria

Atribua, sem custos, 0,5% do seu IRS à ATLAS

e ajude-nos a apoiar idosos em situação de isolamento

​Sabia que ao preencher a sua declaração de IRS pode doar 0,5% do seu imposto a uma organização social, sem receber menos e sem pagar mais?

Basta uma cruz no quadro 3 do campo 11, quando estiver a preencher o seu IRS e colocar o nosso NIF – 508 425 913, como aparece no esquema abaixo.

Dúvidas e Respostas

posso escolher o destino da minha consignação?

A lei portuguesa permite que todos os contribuintes possam doar 0,5% do seu IRS já liquidado a Instituições Particulares de Solidariedade Social ou Pessoas Colectivas de Utilidade Pública, entre as quais a ATLAS – People Like Us.


porque devo escolher a ATLAS – People Like Us?

Porque ao apoiar a missão da ATLAS – People Like Us, está a contribuir para a que consigamos fazer crescer o Projeto Velhos Amigos e apoiar mais idosos em situação de isolamento e carência económica.


atribuir 0,5% do meu IRS à ATLAS tem custos?

Consignar 0,5% do seu IRS à ATLAS – People Like Us não tem qualquer custo para si. Ao fazê-lo, está a canalizar parte dos seus impostos (que de outra forma ficariam para o Estado) para a instituição.


quando posso preencher o meu IRS e fazer a consignação de 0,5% do meu IRS à ATLAS?

Em 2021, o prazo de entrega da declaração de rendimentos decorre entre: 1 de Abril a 30 de Junho, independentemente do tipo de rendimentos recebidos.


Obrigada por apoiar a nossa missão!

Ler Mais

Uma leitura, uma partilha de opinião.

“Uma leitura, uma partilha de opinião” é um espaço de partilha entre voluntários e voluntárias da ATLAS. Aqui descobrimos o que andam a ler, quais as suas reflexões e sentimentos. Estão todos e todas convidadas a deixar comentários ao artigo no fim desta página!


A Sublime Arte de Envelhecer de Anselm Grun

Comentário de
Rui Bingre
Voluntário do Projeto Velhos Amigos em Leiria

Anselm Grun é monge beneditino, responsável financeiro da Abadia de Munsterschwarzach na Alemanha e, segundo a Wikipédia, “autor de aproximadamente 300 livros com foco na espiritualidade. Dos seus livros, mais de 15 milhões de cópias foram vendidas em 30 idiomas” (!) e tinha 64 anos quando escreveu este livro. Estes pormenores biográficos são importantes para uma melhor compreensão do livro.

Logo nas primeiras páginas duas frases lapidares que me atrevo a classificar de indiscutíveis (“A nossa vida só é bem sucedida se aceitarmos o processo de envelhecimento”) e (“O Homem envelhece por si só. Mas o facto de envelhecer com sucesso depende apenas dele próprio”), prenderam-me a atenção suscitando-me a pergunta “o que devo, então, fazer para envelhecer com sucesso?”. Note-se, pela biografia do autor do livro, que fiz esta pergunta (via leitura do livro) a um homem com uma extraordinária envergadura intelectual e espiritual.

As respostas que encontrei são sensatas (“a vida não se constrói sozinha”), motivadoras (“sábio é aquele que gosta de si próprio e faz com que gostem de si”) e muitas outras de igual mérito. Acresce que o tom geral do livro não é, felizmente, de “guru da felicidade”, longe disso! A proposta de Anselm Grun é a da vivência da velhice como uma caminhada tranquila mas exigente na “capacidade de aceitação da própria existência” (reconciliação com o passado, aceitar os seus próprios limites, aprender a viver com a solidão) da “renúncia” (renunciar aos bens materiais, ao poder, ao ego, etc.) e no “cultivo das virtudes da velhice” (serenidade, paciência, liberdade, gratidão, amor, etc.). É um caminho difícil (o próprio Grun diz-nos que nos seus 64 anos ainda não se sente capaz de os cumprir integralmente) e que, na minha opinião, talvez esteja facilitado para quem viva numa profunda envolvência do pensamento cristão, sem prejuízo, no entanto, de ser igualmente exequível fora desse contexto religioso. O livro provoca e merece uma reflexão cuidada. Mas imaginem, caros leitores deste artigo, que a minha próxima leitura, já planeada antes de ler Anselm Grun, tem como título “Que se Lixem os 70, Guia para (os) Viver Bem” do distinto médico Muir Gray, editora IN. Parto para essa leitura como parti para a anterior: de espírito aberto. Espero um choque de diferenças entre ambas as visões da velhice. Não sei qual das duas me influenciará mais, mas provavelmente ficarei a meio do caminho, não por virtude minha mas porque nos meus 67 anos ainda não me sinto capaz de cumprir a proposta de Grun e, provavelmente, não terei a disciplina e a vontade necessárias para ser o jovem de barba branca e saltitante da capa do livro de Gray. Fica-me a esperança que este gosto de continuar a buscar respostas seja uma pequena alínea de uma sublime arte de envelhecer.

A Sublime Arte de Envelhecer
Anselm Grun
Paulinas Editora, 2011

Ler Mais

Uma leitura, uma partilha de opinião.

“Uma leitura, uma partilha de opinião” é um espaço de partilha entre voluntários e voluntárias da ATLAS. Aqui descobrimos o que andam a ler, quais as suas reflexões e sentimentos.


A Dádiva dos Anos de Joan Chittister

Comentário de
Deolinda Ferreira
Voluntária do Projeto Velhos Amigos em Leiria

A vida muda!

A essência da vida é mudança; e, a mudança é óbvia, quer queiramos quer não. Quer gostemos quer não. A vida é um acontecer sucessivo, tão cheio de novidade. «O melhor ainda está para vir, a última parte da vida, para a qual foi feita a primeira», escreveu Robert Browning. Citado por Joan Chittister em A DÁDIVA DOS ANOS, o livro que estou a ler. (E recomendo)

É de espantar, esta perspetiva de olhar a vida, tão cheia de possibilidades, energia e vigor. É a grande beleza da vida, a sua essência: fazer-nos novas exigências, trazer-nos novos desafios e, necessariamente incitar-nos a vivê-los. Quer o queiramos quer não.

Enquanto caminhava, numa das ruas da cidade, percorria no meu pensamento, esta ideia, sempre atual e feliz: és um ator da tua história, neste grande palco da vida. Enfrenta tudo o que está para vir, com entusiasmo, nesta fase da tua existência… porque “o melhor ainda está para vir…” Tudo se resume e faz sentido, quando vemos que o nosso ser e estar, é significativo para os outros, próximos de nós, para aqueles de quem gostamos e, juntos, nos sentimos bem. Há como que um florescimento do nosso eu; feliz e a transbordar. Como as flores de múltiplas cores e tonalidades profundas, resistentes ao vento e às intempéries das estações. Assim, as nossas vidas, além de ganharem um novo matiz, transportam também uma nova maturidade e profundidade interior que este mundo, em correria tanto aprecia e precisa.

Há todo um mundo novo a descobrir….

Há partes de mim que foram tão cuidadosamente vedadas ou mesmo escondidas dos outros, durante anos e, até desprezadas de mim própria. Agora, estão disponíveis para serem experimentadas, usadas e saboreadas…. Claro! Isto requer a curiosidade da criança, o entusiasmo do jovem e a confiança do adulto. A verdade é que nesta fase da vida, sinto-o, há um novo florescimento do meu eu, um novo crescimento a cuidar. Animada, pois, compreendo que há todo um mundo novo à minha e à nossa frente, tão cheio de potencialidades que é preciso enfrentar, com entusiasmo e boa vontade, para nele interagir seja de que maneira for, dando sempre o melhor de nós próprios, no sentido da dádiva que somos para o outro e para o mundo.

É este o tempo de saborear a essência da vida, sinto-o! Em vez de nos ocuparmos e preocuparmos com o acessório. Levámos tanto tempo a descobrir a beleza das coisas simples, a olhar um pôr do sol, a dar valor a uma boa companhia e surpreendentemente descobrimos e compreendemos que o que temos é suficiente e nos basta!

Deolinda Ferreira

A Dádiva dos Anos
Joan Chittister
Paulinas Editora, 2012


Estão todos e todas convidadas a deixar comentários ao artigo no fim desta página! Partilhem também as vossas leituras para geral@atlaspeoplelikeus.org

Ler Mais

Do Assistencialismo à Solidariedade

O meu nome é Hélia Carla Amado Rodrigues, nos últimos anos trabalhei nas áreas do acolhimento residencial de crianças e jovens em perigo e formação/ensino. Invisto de forma continua na minha capacidade de ser útil nos valores de – cooperação e solidariedade de reciprocidade – com o objetivo de me acrescentar na elasticidade/plasticidade cerebral nas diferentes dinâmicas sociais, sobretudo fora da minha zona de conforto. Procuro sair da minha moldura/caixa dos afazeres diários, contribuindo assim para o crescente da minha criatividade de soluções, onde possa ser significativa nas pequenas ações que espero terem impacto nos seus usuários/recetores. Escolhi doar tempo e solidarizar-me com a Atlas no seu projeto – Velhos Amigos.


Assistencialismo vs Solidariedade

Proponho neste parágrafo a reflexão breve entre – assistencialismo vs solidariedade, numa linha da distinção para a sua união, ou seja o assistencialismo com uma vertente moral caritativa da dádiva aos desvalidos (tratar dos pobrezinhos) para uma visão assente nos prismas da solidariedade de reciprocidade[1], a responsabilidade da ação voluntária com paridade de decisão, entre o dador e o recetor, desemboca na solidariedade.

Sendo assim, um voluntariado substantivo da condição humana nas diferentes dimensões inerentes[2], e, recusar a ação de voluntariado numa base no sentido único da dádiva do assistencialismo com uma dependência das políticas do estado ou do excedente da economia de mercado, emancipá-la para – aquela que promove e que não assiste só -, torna-la num contributo para as tomadas de decisões políticas com base no conhecimento da prática do fazer e do estar, para uma ação assertiva do e com o SER.

Importa sentir que não basta só dar mas envolver os recetores nas decisões, tornando-os assim os decisores com projeções para o e com futuro – agentes ativos da própria mudança.

45 frases de solidariedade que vão te ajudar a praticar esse ato

[1] Conceito de reciprocidade: dar sem esperar receber em troca; receber sem sentir a obrigação de dar em troca; e, trocar bens e serviços sem importância mercantil / lucro.

[2] Como a: social, sistémica, política, económica, ambiental, territorial, cultural, cognitiva, ética, entre outras


Autora
Helia Carla Amado
Educadora Social e voluntária do Projeto Velhos Amigos na Marinha Grande

Ler Mais

Não há reforma para o afeto, o amor e o sexo.

No passado dia 16 de fevereiro de 2021 recebemos a Professora Doutora Margarida Pedroso Lima para mais um Encontro ao Serão da ATLAS – People Like Us. O tema do Encontro foi “Sexualidade depois dos 50”. Deixamos aqui algumas notas para quem não teve oportunidade de estar presente.


De acordo com Vilar (2003), até época recente, o modelo social dominante de valores e atitudes sobre a sexualidade era o “Modelo Reprodutivo”, o qual legitimava a vida sexual somente às funções reprodutivas, as quais só eram aceitáveis no contexto matrimonial. Os comportamentos sexuais não reprodutivos não eram moralmente aceitáveis e respeitados. E, porque as pessoas idosas já não estavam em idade reprodutiva (mesmo que os homens fossem férteis ao longo de toda a vida), a sexualidade, e especialmente a sexualidade feminina, era ignorada, escondida ou desrespeitada (Pereira 2010; Sanchez and Ulátia, 1998; Steinke, 1997).

O avanço do estudo da sexualidade humana, os debates públicos e os movimentos sociais em torno da sexualidade e dos direitos sexuais fizeram com que esta forma de entender a sexualidade fosse substituída por um novo modelo – um modelo recreativo e permissivo (Giddens, 1996; Cabral e Ferreira, 2010) e, neste novo contexto social e cultural, a vida sexual das pessoas idosas tem sido mais aceite e reconhecida.

No entanto, e apesar destas mudanças nas normas sociais e nas atitudes sobre a sexualidade, o modelo tradicional tem ainda muito peso entre as pessoas de idade avançada.

O Idadismo é um preditor negativo da sexualidade na velhice

Se aos 40 acharmos que a sexualidade vai decrescer com a idade é possível que aos 70 ou aos 80 não se tenha uma sexualidade ativa. Funciona como uma profecia que se auto cumpre em que quanto mais forte é a nossa crença maior a probabilidade de sofrermos com ela.

As nossas crenças enquanto comunidade levam a que adultos mais velhos encontrem dificuldades na expressão da sua sexualidade. As crenças podem limitar-nos e por isso é importante serem criados espaços de informação, desmistificação dos mitos e apresentação dos factos.

O que muda afinal com a idade?

O pico da maior parte das funções biológicas relacionadas com a idade ocorre antes dos 30 anos e declinam gradual e linearmente ao longo da vida. O declínio pode ser crítico sob condições de stress, mas normalmente tem pouco ou nenhum efeito sobre as atividades diárias. Portanto, as doenças, mais do que o envelhecimento normal, são a causa primária das perdas funcionais durante o envelhecimento.

Em muitos casos, o declínio relacionado com a idade pode ser decorrente do estilo de vida, comportamento, alimentação e meio ambiente, e, portanto, pode ser modificado. Importa referir que nem todas as funções estão em declínio e, sabesse hoje, que no que toca à capacidade de gestão emocional, existem melhorias significativas com a idade.

Os idosos relatam melhor bem-estar emocional do que os mais jovens – mesmo durante uma pandemia que os coloca em maior risco do que a qualquer outra faixa etária. Artigo original em Inglês: https://news.stanford.edu/2020/10/27/despite-covid-19-risks-older-people-experience-higher-emotional-well-younger-adults/

Os investigadores justificam esta melhoria por existir uma maior consciência da mortalidade e percepção da fragilidade da vida, o que leva as pessoas com idade avançada a viver o presente com mais intensidade, valorizando todos os momentos. A experiência de vida leva também a que exista um aumento da capacidade de antecipar e adaptar respostas emocionais. Diminui a frequência e a intensidade de emoções como a raiva e consegue-se encontrar um equilibrio emocional.

Isso significa que o sexo não muda?

Sim e não. Sabemos que tudo muda ao longo do nosso ciclo de vida, somos seres sexuais desde o momento em que nascemos mas a forma de vivenciar a sexualidade aos 5 anos é diferente aos 20, aos 40 e será certamente diferente aos 60, 80 anos. Do nascimento até à morte somos seres sexuais e passamos por vários processos adaptativos.

A vida sexual transforma-se constantemente ao longo de toda a evolução individual, porém só desaparece com a morte. (Myra e López, in Sexualidade Humana, 1993)

Um dos grandes problemas em questões de sexualidade é que a mesma é equacionada com a capacidade/frequência de relações sexuais, mas a sexualidade vai muito para além do coito. Somos seres complexos e expressamos a nossa sexualidade de múltiplas formas, desde a nossa identidade, a imagem que apresentamos, aos erotismos, a sedução, as carícias. É hoje cientificamente consensual que a atividade sexual e a satisfação com a mesma são benéficas para o bem-estar psicológico e físico em adultos em idade avançada, reduzindo o stress físico e mental decorrente de doenças associadas ao envelhecimento (DeLamater, 2012; Traeen B, 2017).

Se queremos ter uma sexualidade ativa aos 60, 80…. Há que praticar! A nossa função sexual está muito relacionada com a nossa saúde física. Hábitos de vida saudáveis levam a uma sexualidade positiva mais anos.

Ninth Circuit Blog: Case o' The Week: Use it Or Lose It (Then Win It) -  Yepiz, Jury Selection, and Rule 24
Use It or Lose It, em português “Usa-o ou Perde-o”.

Referências

DeLamater, J. (2012). Sexual expression in later life: A review and synthesis. Journal of Sex Research, 49, 125-141.

Giddens, A.(1996) As transformações da Intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas, Oeiras, Celta

Pereira, A.R. (2010) A Sexualidade na terceira idade: perspectiva do idoso institucionalizado, Dissertação de Mestrado disponível na Mediateca da Universidade Lusíada de Lisboa

Sanchez, F., Ulátia, J. ((1998) Sexualidade en la Vejez, Madrid, Pirâmide

Steinke, e. (1997) Sexuality in Aging: implications for mursing facility satjj, The jornal of Continuing Education in nursing, 39-6.

Traeen, B. (2017). Sexuality in Older Adults (65+)—An Overview of The Recent Literature, Part 2: Body Image and Sexual Satisfaction.International Journal of Sexual Health, 29:1, 11-21.

Vilar, D. (2003) Falar Disso, Porto, Afrontamento

Villaverde Cabral, M., Ferreira, P. (org) (2010) ) Sexualidades em Portugal, Lisboa, Bizancio

Ler Mais

Envelhecimento e Género

Breve reflexão de uma voluntária

O nosso envelhecimento não depende somente da nossa herança genética, mas também do nosso nível de escolaridade, do(s) local(ais) onde vivemos e ainda do “género que nos coube em sorte”. 

Ser homem ou ser mulher significa ter papéis diferentes na sociedade, ser educado de forma desigual, ter oportunidades diferentes na vida. E significa também que o processo de envelhecimento no masculino e no feminino são vividos de formas diferentes.

Para identificarmos as disparidades entres homens e mulheres, de modo a nos abrir caminho a uma maior compreensão e consciencialização acerca da igualdade de género, a ATLAS promoveu o “Encontro ao Serão” dedicado ao tema “Questões de Género e o Envelhecimento”, no passado dia 10 de novembro, via ZOOM.

Foi oradora convidada a Professora Doutora Cristina Vieira, licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e docente desta Faculdade desde 1992, sendo ainda Vice-Presidente da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres.

O apelo geral deixado pela preletora aos voluntários e amigos do ATLAS que participaram neste Encontro ao Serão foi o de que é necessário exercermos o nosso papel enquanto cidadãs e cidadãos, sendo neste sentido que foi elaborada a Estratégia Nacional da Educação para a Cidadania, tendo a Professora Cristina Vieira feito parte do grupo de trabalho.

“Educar os jovens para que possam ser livres nas escolhas que façam”, assim referido pela preletora, não é um desiderato menor da formação das crianças e jovens. Se no futuro queremos adultos e adultas com uma conduta cívica que privilegie a igualdade nas relações interpessoais, a integração da diferença, o respeito pelo outro, é na sala de aula que tem de ser ensinado isto. Neste sentido, apraz ao ATLAS regozijar-se com o seu papel que tem vindo a desenvolver com o MEXE-TE.

Não há nenhuma sociedade no mundo em que a igualdade de género seja completamente conseguida. E, por isso, necessitamos de continuar mobilizados para promover a igualdade de género, mais a mais, num mundo que envelhece. Isto mesmo é referido na Carta de Género e Envelhecimento adotada em 2014, uma iniciativa do Centro Internacional de Longevidade Brasil. Também, a nível europeu, o Instituto Europeu da Igualdade de Género trabalha para que a igualdade de tratamento entre homens e mulheres seja uma realidade do nosso quotidiano.

“Quando a igualdade de géneros é realmente aceite, as aptidões, experiências e recursos de mulheres e homens de todas as idades serão reconhecidos como um património intrínseco de uma sociedade plenamente coesa, enriquecedora, produtiva e sustentável”.

Urge promover a igualdade de género num mundo que envelhece.

Referências Bibliográficas

Carta de Género e Envelhecimento do Centro Internacional de Longevidade Brasil

Site do Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE)

Irene Primitivo

Farmacêutica Hospitalar, secretária da Direcção da ATLAS – People Like Us e voluntária no Projeto Velhos Amigos. Movida pelas causas sociais, é um membro ativo da sociedade que, através do associativismo, contribui para um mundo melhor. Na ATLAS, acreditamos, veio para ficar!

Ler Mais

Será a nossa solidão crónica?

O sentimento de solidão, para muitos de nós, é uma condição temporária que surge com uma mudança na nossa vida, como ir morar sozinho, mudar de cidade ou por motivos de doença. Para outras pessoas, consiste na falta de ligação com outras pessoas tornando-se assim, em situações extremas, numa solidão crónica.

Mas o que é a solidão crónica?

A solidão crónica é um termo para descrever a solidão entendida por um longo período de tempo e, embora tanto a solidão como a solidão crónica não sejam condições particulares da saúde mental, podem afectar tanto a saúde mental como a física.

Para alguns investigadores, tanto a solidão como a solidão crónica, podem afectar o cérebro de maneira semelhante a uma dor física, podem prejudicar o sono, aumentar o risco de demência assim como aumentar o risco de morte prematura.

Vários estudos já revelaram que o sentimento de solidão aumenta com a idade. Este ano, com o aparecimento e evolução epidemiológica do Coronavírus (Covid-19), intensificou-se o risco de solidão na população idosa. Sem a possibilidade de estabelecerem contactos sociais, os sentimentos de medo, ansiedade e frustração tornaram-se mais visíveis, fazem com que a solidão pareça mais real. Se para uns a solidão, nesta epidemia, foi ou é temporária, para outros, principalmente os mais idosos, deixou-os ainda mais sós.

O que podemos fazer para aliviar essa solidão?

  • Devemos manter-nos em contacto com os nossos idosos via telefone, ou para quem tenha via video-chamada;
  • Fazer visitas curtas, ficando à porta;
  • Fazer voluntariado numa Associação ou instituição que apoie esta população mais vulnerável.

“Que agradável surpresa é descobrir que, no fim das contas, estar sozinho é o necessariamente a mesma coisa que se sentir sozinho”.

Ellen Burstyn

Autora: Claúdia Silva

Formada em Psicologia Sistémica e Familiar, com formação em Terapia do Luto com crianças e adultos. Atualmente é responsável pela ação da ATLAS em Coimbra.

Ler Mais

A avó aprende a reciclar

Um conto de Tânia Bailão Lopes

Era uma vez uma velhinha
que adorava fazer bolos
na sua cozinha. 
Era na culinária 
que ela se empolgava 
cozinhando para todos 
fazia o que amava!

Mas quando se cozinha
muito lixo se faz
E que destino lhe dar.
um destino capaz!?
Eram montes de pacotes
latas e muito mais,
os sacos amontoavam
ali à porta dos currais.

Ai céus tanto lixo!
O que vou fazer?

Lembrou-se então
de chamar os netos,
eles teriam uma solução!

Na escola aprendiam
a separar o lixo,
isso, eles sabiam!

Digam lá netinhos
o que devo fazer?
Avó, escuta bem,
há sempre solução;
vamos limpar isto tudo
e o vidro vai para o vidrão.

Mas não são só frascos
que eu tenho aqui,tenho latas e plásticos,e os pacotes do leite
que também já bebi.
Agora digo eu,
disse o Marcelo,
isso são embalagens,
vão p´ró ecoponto amarelo!

Ai meus netinhos
e as embalagens de cartão?
Vão para o amarelo
ou vão para o vidrão?

Avozinha, avozinha,
existem três ecoponto,
um de cada cor,
vou-teensinar tudo
com carinho e amor!

Para as embalagens é o amarelo,
para o vidro é o verde.
O azul é para o papel
e também para o cartão,
para colocares as caixas
e os sacos do pão.

Mas se estiverem sujas
com gordura ou chantilly,
ponho-as lá no azul
ou ponho-as aqui?

Aqui quero dizer
no lixo comum,
onde ponho todo o resto
que não pertence a ecoponto nenhum.

Mas vou dar-te outra ideia,
minha avó querida
diz-me onde colocas
os restos de comida?

Oh meu amor,
isso dou à criação,
às galinhas e aos porcor
que adoram essa refeição!
Isso já eu sei
há tempo demais,
não se deita restos no lixo
se podem ir para os animais!

A vizinha Berta
não tem criação,
mas ela é tão esperta
que tem uma invenção.
Diz que é compostagem
e que não custa nada,
põe lá as cascas de batata
para ter a terra adubada!

E tem lá uma horta
com vegetais tão viçosos,
Ficam mesmo lindos
e tão saborosos!

Obrigada netinhos
pela ajuda que me deram,
vamos lá separa tudo
tal e qual me disseram!
Vamos levar tudo para o ecoponto
e depois recebem um bolinho
que tenho ali pronto!

Vamos lá fazer tudo
como deve de ser,
para manter o planeta limpo
é tão fácil aprender!
Se cada pessoa o fizer
o planeta agradece,
as coisas são reutilizadas
é mais fácil do que parece!

Só precisas fazer a tua parte,
a Valorlis faz o resto com louvor
porque o planeta é a nossa casa
e deve ser cuidado com amor!
O conto “A avó aprende a reciclar” integra o livro “Eu conto com a reciclagem” editado pela VALORLIS, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos,S.A. em Maio de 2020.

O livro Eu conto com a Reciclagem compila os contos vencedores do concurso “Eu conto com a reciclagem” desenvolvido pela VALORLIS dirigido aos alunos do 1º, 2º,3º ciclo, secundário e adultos.
“A avó aprende a reciclar”, um conto escrito e ilustrado por Tânia Bailão Lopes, foi o 1º Classificado na categoria de Adultos. O livro está disponível para download.

Tânia Bailão Lopes, para além de uma excelente ilustradora e uma escritora criativa é também solidária! Em 2019, Tânia Bailão Lopes ilustrou o livro infantil “A Folhinha” escrito pela voluntária da ATLAS – People Like Us – Fátima Faria. As receitas do livro revertem integralmente para a ATLAS.
Conheça o livro aqui.

Ler Mais

Voluntários colocam Mãos à obra

Quando apresentamos as funções dos voluntários associados aoProjecto Velhos Amigos mencionamos, entre outras tarefas, as visitas semanais, o levantamento de refeições nosRestaurantes Solidários e o acompanhamento aos idosos. Saber cozinhar não é um pré-requisito mas em tempos adversos, mostrou ser uma mais-valia!

Sabemos que a “necessidade aguça o engenho”.

Com o aparecimento e evolução epidemiológica do Coronavirus (COVID-19) e o risco que este representa para a população idosa, repensámos os nossos sábados de forma a que os idosos que cuidamos se sentissem em segurança. Em segurança mas nunca sós, contando com a nossa presença.

Com alguns restaurantes fechados, e outros em regime de Take-away, continuámos o projecto, de forma diferente mas com o mesmo empenho de sempre. Vários voluntários e amigos colocaram “mãos à obra” fazendo as refeições!

Aqui registamos um sábado que, como tantos outros, foi preparado para esta nossa missão, levando refeições, carinho e companhia, que tanto nos enche o coração e deixa os nossos idosos mais felizes.

Obrigada a todos vocês, voluntários/as, amigos/as, restaurantes solidários e parceiros que nos acompanham nesta missão.

SOMOS UMA EQUIPA!

Ler Mais