ATLAS People Like Us

A ATLAS tem como Missão intervir na comunidade, de modo a criar alavancas de Desenvolvimento Humano Integrado e Sustentável, através da promoção do voluntariado e da cooperação.

e ajude-nos a apoiar idosos em situação de isolamento

​Sabia que ao preencher a sua declaração de IRS pode doar 0,5% do seu imposto a uma organização social, sem receber menos e sem pagar mais?

Basta uma cruz no quadro 3 do campo 11, quando estiver a preencher o seu IRS e colocar o nosso NIF – 508 425 913, como aparece no esquema abaixo.

Dúvidas e Respostas

posso escolher o destino da minha consignação?

A lei portuguesa permite que todos os contribuintes possam doar 0,5% do seu IRS já liquidado a Instituições Particulares de Solidariedade Social ou Pessoas Colectivas de Utilidade Pública, entre as quais a ATLAS – People Like Us.


porque devo escolher a ATLAS – People Like Us?

Porque ao apoiar a missão da ATLAS – People Like Us, está a contribuir para a que consigamos fazer crescer o Projeto Velhos Amigos e apoiar mais idosos em situação de isolamento e carência económica.


atribuir 0,5% do meu IRS à ATLAS tem custos?

Consignar 0,5% do seu IRS à ATLAS – People Like Us não tem qualquer custo para si. Ao fazê-lo, está a canalizar parte dos seus impostos (que de outra forma ficariam para o Estado) para a instituição.


quando posso preencher o meu IRS e fazer a consignação de 0,5% do meu IRS à ATLAS?

Em 2021, o prazo de entrega da declaração de rendimentos decorre entre: 1 de Abril a 30 de Junho, independentemente do tipo de rendimentos recebidos.


Obrigada por apoiar a nossa missão!



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



A Páscoa é, das celebrações Católicas, a mais importante. Não só pelas festividades associadas ao fim da Quaresma como também porque marca o início de um novo ciclo, um ciclo de fertilidade, de renovação e vida abundante. Muito do simbolismo pascal, projeta-se nas práticas alimentares, gastronómicas e etnográficas que vivenciamos por esta época.

Esta prática de associação entre o sagrado e o profano, no qual se encaixa também a gastronomia, reveste-se de um simbolismo que, no passado, teve muito mais importância que nos dias que correm. Um bom exemplo é a prática do consumo do borrego ou cabrito nesta época festiva, dependendo da região. Este consumo retrata-se na prática dos Hebreus que na Páscoa sacrificavam um cordeiro em honra de Jesus Cristo, que também havia dado a sua vida para libertar o seu povo. Esta prática alimentar e gastronómica no fim da Quaresma, estava normalmente circunscrita à celebração da Páscoa, a um Batizado, Casamento ou outra festa de maior importância das famílias. Era habitualmente com um animal de aproximadamente um ano que se faziam maravilhosos cabritos e borregos assados no forno, em ensopados ou caldeiradas.

A prática de aguardar pelos momentos festivos para consumir determinadas iguarias, perdeu-se.

Com a popularização dos restaurantes gastronómicos, que destacam e dão palco ao melhor da culinária local, a produção em escala para o comércio de retalho, a democratização dos preços e o acesso a bens alimentares até então limitados a determinadas épocas, permitem que hoje se possa adquirir e confecionar todo o tipo de ingredientes em qualquer época do ano.

A Região Centro tem tudo o que precisamos

A Região Centro de Portugal não é exceção a este movimento de mudança no paradigma alimentar e, por conseguinte, conseguiu popularizar muitas das iguarias gastronómicas associadas à quadra da Páscoa. Alguns desses bons exemplos são a famosa Chanfana da Chainça, lugar onde a cabra e os seus rebanhos ganham destaque, providenciando o cabrito na quadra da Páscoa. Mas também o Leitão da Boavista, que, há boleia dos grandes centros de produção e abate da freguesia, se popularizou bastante com alguns restaurantes a fazerem fronteira com a EN1/IC2 há várias décadas. É, de resto, com a melhoria das estradas, dos meios de transporte e o aumento da circulação de pessoas que toda esta gastronomia mais circunscrita se popularizou, e ainda bem.

Para esta quadra escolho o Leitão à Boavista

Escolho o Leitão à Boavista por razões de ordem pessoal, é o meu prato gastronómico de eleição, e nutricionais, porque não devemos excluir a gastronomia local da nossa alimentação, antes moderar na quantidade e apostar na diversidade. No caso do leitão, por ser fornecedor de gordura em grande quantidade, devemos reservar apenas para dias especiais, enaltecendo a sua riqueza gastronómica em momentos de verdadeira festividade. E, querendo fazê-lo em casa, compraria uma assadeira de Barro da Bajouca, daquelas que dão para deixar leitão suspenso. Preparava uma pasta de alho pisado no almofariz, com sal da Figueira da Foz e pimenta em grão (branca e preta), à qual juntaria depois banha de porco. Logo barrava o leitão com o preparado, recheando o seu interior com metade da pasta de tempero (fechando com agulha e linha a barriga). Por baixo do leitão deixaria batatinhas novas com casca, apenas cortadas pela metade. Levaria a assar em forno bem quente, tendo o cuidado de não deixar assar demasiado as batatas (uma folha de couve a tapar lá mais para o final), cerca de 1h15 a 1h30 para um leitão de 4 a 5kg. Esta iguaria especial da nossa região acompanha bem com uns grelos ou nabiças cozidas, ou uma salada de várias verduras que tenham muita cor a lembrar a primavera, cheia de cor e sabor.

Boa Páscoa com boa gastronomia!


Autor
Rui Lopes
Nutricionista e Voluntário no Projeto Velhos Amigos



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



No passado dia 20 de março, Dia Internacional da Felicidade, no que era suposto ser uma tranquila tarde de sábado, fui sobressaltado por uma iniciativa da equipa da ATLAS que nos presenteava com uma Matiné do Riso. A sessão seria facilitada por José Santos, Embaixador do Yoga do Riso em Portugal, e a assistência era desde logo convidada a não se inibir de soltar muitas gargalhadas! Mas, perguntarão os caros leitores, porquê o sobressalto? Por causa do “ioga do riso”.

Para mim, um ignorante nesta matéria, ioga é uma prática meditativa associada a exercícios físicos que esticam até aos limites (!) os músculos, tendões, nervos, articulações, tudo num ambiente de grande calma e infinita placidez. Como seria possível rir nestas circunstâncias? Na melhor das hipóteses, a ideia de estalar articulações e repuxar músculos poderia, quando muito, provocar risos nervosos! Confesso que tinha hesitado em me inscrever na sessão. Mas… a atração pelo abismo foi muito grande e lá fui à sessão… era em Zoom e, enfim, havia sempre a possibilidade de haver uma falha de comunicação mesmo a propósito…

Lá fui… e ri-me muito,

mesmo sem ter saído da cadeira!

Ri-me eu, e riu-se a assistência composta por beneficiários, simpatizantes e voluntários que preenchia bem a “sala” do Zoom. E rimo-nos de quê? Do riso! Sim, rimo-nos do riso! A sessão, muito animada e entusiasticamente conduzida por José Santos, constava essencialmente de exercícios físicos (leves, leves, aah, deste ioga gosto eu!) acompanhados pela vontade de cada um de nós rir, porque rir é o que queríamos fazer naquele momento, porque rir é bom, porque rir não paga IVA, rir porque sim, rir porque num tempo onde tantas ideias são atualizadas, podemos atualizar o clássico ditado “quem canta seus males espanta” para “quem faz ioga do riso sua vida leva com um sorriso”. Estou a ser demasiado otimista? Talvez, mas riso a riso vai a vida enchendo o papo!

Ficou o sorriso de cada um de nós.

E, sobretudo, caros leitores, ficou o sorriso de cada um de nós no fim da sessão! Como foi bom sentir que uma assistência tão alargada tinha partilhado momentos agradáveis e de muita cumplicidade! Sim, cumplicidade, porque rirmo-nos uns para os outros, muitas vezes sem nos conhecermos, apenas porque queríamos todos rir, sim, foi um exercício de cumplicidade radical! Deste fim de tarde, ficou em mim, e creio que na assistência, a recordação da felicidade de uma tarde de riso partilhada!

Mas afinal o que é o ioga do riso? Agora sim, rio de nervoso, mesmo estando apenas sentado na cadeira donde escrevo, sem ter de fazer exercícios físicos que esticam até aos limites os músculos, tendões, etc.: Não sei o que é o ioga do riso! Mas sei que existe porque vivi-o mesmo que apenas momentaneamente! Prometo que numa próxima newsletter saberei do que agora escrevi! Até lá, não se inibam de rir sempre que possível, mesmo que seja apenas desta minha ignorância!

Sintam-se convidados e convidadas a conhecer mais sobre o trabalho do José Santos: aqui

Registo de um momento do Encontro ao Serão – Matiné do Riso, dinamizado por José Santos com voluntários, beneficiários e amigos da ATLAS – People Like Us.

Autor
Rui Bingre
Voluntário no Projeto Velhos Amigos



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



“Uma leitura, uma partilha de opinião” é um espaço de partilha entre voluntários e voluntárias da ATLAS. Aqui descobrimos o que andam a ler, quais as suas reflexões e sentimentos. Estão todos e todas convidadas a deixar comentários ao artigo no fim desta página!


A Sublime Arte de Envelhecer de Anselm Grun

Comentário de
Rui Bingre
Voluntário do Projeto Velhos Amigos em Leiria

Anselm Grun é monge beneditino, responsável financeiro da Abadia de Munsterschwarzach na Alemanha e, segundo a Wikipédia, “autor de aproximadamente 300 livros com foco na espiritualidade. Dos seus livros, mais de 15 milhões de cópias foram vendidas em 30 idiomas” (!) e tinha 64 anos quando escreveu este livro. Estes pormenores biográficos são importantes para uma melhor compreensão do livro.

Logo nas primeiras páginas duas frases lapidares que me atrevo a classificar de indiscutíveis (“A nossa vida só é bem sucedida se aceitarmos o processo de envelhecimento”) e (“O Homem envelhece por si só. Mas o facto de envelhecer com sucesso depende apenas dele próprio”), prenderam-me a atenção suscitando-me a pergunta “o que devo, então, fazer para envelhecer com sucesso?”. Note-se, pela biografia do autor do livro, que fiz esta pergunta (via leitura do livro) a um homem com uma extraordinária envergadura intelectual e espiritual.

As respostas que encontrei são sensatas (“a vida não se constrói sozinha”), motivadoras (“sábio é aquele que gosta de si próprio e faz com que gostem de si”) e muitas outras de igual mérito. Acresce que o tom geral do livro não é, felizmente, de “guru da felicidade”, longe disso! A proposta de Anselm Grun é a da vivência da velhice como uma caminhada tranquila mas exigente na “capacidade de aceitação da própria existência” (reconciliação com o passado, aceitar os seus próprios limites, aprender a viver com a solidão) da “renúncia” (renunciar aos bens materiais, ao poder, ao ego, etc.) e no “cultivo das virtudes da velhice” (serenidade, paciência, liberdade, gratidão, amor, etc.). É um caminho difícil (o próprio Grun diz-nos que nos seus 64 anos ainda não se sente capaz de os cumprir integralmente) e que, na minha opinião, talvez esteja facilitado para quem viva numa profunda envolvência do pensamento cristão, sem prejuízo, no entanto, de ser igualmente exequível fora desse contexto religioso. O livro provoca e merece uma reflexão cuidada. Mas imaginem, caros leitores deste artigo, que a minha próxima leitura, já planeada antes de ler Anselm Grun, tem como título “Que se Lixem os 70, Guia para (os) Viver Bem” do distinto médico Muir Gray, editora IN. Parto para essa leitura como parti para a anterior: de espírito aberto. Espero um choque de diferenças entre ambas as visões da velhice. Não sei qual das duas me influenciará mais, mas provavelmente ficarei a meio do caminho, não por virtude minha mas porque nos meus 67 anos ainda não me sinto capaz de cumprir a proposta de Grun e, provavelmente, não terei a disciplina e a vontade necessárias para ser o jovem de barba branca e saltitante da capa do livro de Gray. Fica-me a esperança que este gosto de continuar a buscar respostas seja uma pequena alínea de uma sublime arte de envelhecer.

A Sublime Arte de Envelhecer
Anselm Grun
Paulinas Editora, 2011



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O envelhecimento é um processo complexo que ocorre ao longo de toda a vida, que envolve aspectos de vária ordem, como demográficos, económicos, sociais e familiares e que, tendo em conta a forma de envelhecer, não pode ser visto, apenas, no âmbito biológico.

No conceito de envelhecimento, deve considerar-se a idade cronológica, a jurídica (relacionada com direitos e deveres da sociedade), a psicoafectiva (relacionada com a personalidade e emoções), a social, e a biológica e física (ligadas ao ritmo de envelhecimento individual). Cada idoso é um ser único que envelhece ao seu ritmo, sendo este processo heterogéneo. Este processo e ritmo variam com base, por exemplo, no estilo de vida, alimentação, escolaridade, profissão exercida, etc. O idoso tem mais vivências, anos de vida, doenças, perdas, tempo disponível e sofre de preconceito! Assim, este processo de envelhecimento não deve ser considerado uma tragédia individual e, muito menos, colectiva, pelo facto de o idoso ter perdido o seu papel produtivo na sociedade!

Consequentemente, os idosos, dada a sua vulnerabilidade, estão mais sujeitos à discriminação social, levando a que, por vezes, se encontrem abandonados, em perigo, alvo de violência e falta de respeito pelos seus direitos!

Para que tal seja minimizado, foi necessário a adoção e criação de modelos de intervenção a nível familiar, social e de cuidados de saúde, devidamente enquadrados  juridicamente, para garantir o “envelhecer” com dignidade, segurança e respeito pela vida do idoso, modelos estes que se devem adequar à natural e “moderna” evolução do próprio envelhecimento, priorizando, sempre, os direitos individuais e o respeito pela pessoa idosa! Criaram-se, assim, Comissões de Proteção de Idosos, creio serem, em Portugal,19! Estas Comissões pretendem garantir o que referi atrás, mas, caso esses direitos estejam, ou sejam, ameaçados, e não respeitados, o recurso ao Ministério Público, permite-lhe, por legitimidade, agir!

Envelhecer com dignidade e direitos

Dado haver, socialmente, défice generalizado de conhecimento do universo jurídico, acentuado nos idosos, acompanhado, na maioria dos casos, de carência económica, dependência física e psicológica, é necessário que todos nós estejamos atentos e defendamos os direitos da pessoa idosa, fazendo-os respeitar, exigindo à sociedade que, igualmente, os respeitem, recorrendo, se necessário for, à via judicial, pois, nem sempre a pessoa idosa, devido a tudo o que foi sendo referido, se consegue defender! Esta atenção deverá ser redobrada, uma vez que, de acordo com o último Censo, a estrutura etária da população Portuguesa evidencia, na respectiva pirâmide etária, um acentuado aumento da população idosa que assenta na diminuição da Natalidade e aumento da Esperança Média de Vida! Prevê-se que, segundo as projeções do INE, até 2060 o Índice de Envelhecimento aumente até aos 307 idosos por cada 100 jovens!

As instituições como a Atlas, deverão ter um papel importante de proteção social na defesa e denúncia destes direitos, devendo estar, particularmente, atentas ao direito a condições dignas de habitação e respectiva  acessibilidade, aos cuidados de saúde, bem estar e segurança de todos os casos que conheça, e, em particular, aos dos seus Beneficiários, pugnando pela efectivação de todos esses seus  direitos!  Assim o temos feito na Atlas e, dada a nossa persistência, temos sido bem sucedidos!


Autora
Isabel Guimarães
Voluntária, Coordenadora do Projeto Velhos Amigos em Leiria



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



“Uma leitura, uma partilha de opinião” é um espaço de partilha entre voluntários e voluntárias da ATLAS. Aqui descobrimos o que andam a ler, quais as suas reflexões e sentimentos.


A Dádiva dos Anos de Joan Chittister

Comentário de
Deolinda Ferreira
Voluntária do Projeto Velhos Amigos em Leiria

A vida muda!

A essência da vida é mudança; e, a mudança é óbvia, quer queiramos quer não. Quer gostemos quer não. A vida é um acontecer sucessivo, tão cheio de novidade. «O melhor ainda está para vir, a última parte da vida, para a qual foi feita a primeira», escreveu Robert Browning. Citado por Joan Chittister em A DÁDIVA DOS ANOS, o livro que estou a ler. (E recomendo)

É de espantar, esta perspetiva de olhar a vida, tão cheia de possibilidades, energia e vigor. É a grande beleza da vida, a sua essência: fazer-nos novas exigências, trazer-nos novos desafios e, necessariamente incitar-nos a vivê-los. Quer o queiramos quer não.

Enquanto caminhava, numa das ruas da cidade, percorria no meu pensamento, esta ideia, sempre atual e feliz: és um ator da tua história, neste grande palco da vida. Enfrenta tudo o que está para vir, com entusiasmo, nesta fase da tua existência… porque “o melhor ainda está para vir…” Tudo se resume e faz sentido, quando vemos que o nosso ser e estar, é significativo para os outros, próximos de nós, para aqueles de quem gostamos e, juntos, nos sentimos bem. Há como que um florescimento do nosso eu; feliz e a transbordar. Como as flores de múltiplas cores e tonalidades profundas, resistentes ao vento e às intempéries das estações. Assim, as nossas vidas, além de ganharem um novo matiz, transportam também uma nova maturidade e profundidade interior que este mundo, em correria tanto aprecia e precisa.

Há todo um mundo novo a descobrir….

Há partes de mim que foram tão cuidadosamente vedadas ou mesmo escondidas dos outros, durante anos e, até desprezadas de mim própria. Agora, estão disponíveis para serem experimentadas, usadas e saboreadas…. Claro! Isto requer a curiosidade da criança, o entusiasmo do jovem e a confiança do adulto. A verdade é que nesta fase da vida, sinto-o, há um novo florescimento do meu eu, um novo crescimento a cuidar. Animada, pois, compreendo que há todo um mundo novo à minha e à nossa frente, tão cheio de potencialidades que é preciso enfrentar, com entusiasmo e boa vontade, para nele interagir seja de que maneira for, dando sempre o melhor de nós próprios, no sentido da dádiva que somos para o outro e para o mundo.

É este o tempo de saborear a essência da vida, sinto-o! Em vez de nos ocuparmos e preocuparmos com o acessório. Levámos tanto tempo a descobrir a beleza das coisas simples, a olhar um pôr do sol, a dar valor a uma boa companhia e surpreendentemente descobrimos e compreendemos que o que temos é suficiente e nos basta!

Deolinda Ferreira

A Dádiva dos Anos
Joan Chittister
Paulinas Editora, 2012


Estão todos e todas convidadas a deixar comentários ao artigo no fim desta página! Partilhem também as vossas leituras para geral@atlaspeoplelikeus.org



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O meu nome é Hélia Carla Amado Rodrigues, nos últimos anos trabalhei nas áreas do acolhimento residencial de crianças e jovens em perigo e formação/ensino. Invisto de forma continua na minha capacidade de ser útil nos valores de – cooperação e solidariedade de reciprocidade – com o objetivo de me acrescentar na elasticidade/plasticidade cerebral nas diferentes dinâmicas sociais, sobretudo fora da minha zona de conforto. Procuro sair da minha moldura/caixa dos afazeres diários, contribuindo assim para o crescente da minha criatividade de soluções, onde possa ser significativa nas pequenas ações que espero terem impacto nos seus usuários/recetores. Escolhi doar tempo e solidarizar-me com a Atlas no seu projeto – Velhos Amigos.


Assistencialismo vs Solidariedade

Proponho neste parágrafo a reflexão breve entre – assistencialismo vs solidariedade, numa linha da distinção para a sua união, ou seja o assistencialismo com uma vertente moral caritativa da dádiva aos desvalidos (tratar dos pobrezinhos) para uma visão assente nos prismas da solidariedade de reciprocidade[1], a responsabilidade da ação voluntária com paridade de decisão, entre o dador e o recetor, desemboca na solidariedade.

Sendo assim, um voluntariado substantivo da condição humana nas diferentes dimensões inerentes[2], e, recusar a ação de voluntariado numa base no sentido único da dádiva do assistencialismo com uma dependência das políticas do estado ou do excedente da economia de mercado, emancipá-la para – aquela que promove e que não assiste só -, torna-la num contributo para as tomadas de decisões políticas com base no conhecimento da prática do fazer e do estar, para uma ação assertiva do e com o SER.

Importa sentir que não basta só dar mas envolver os recetores nas decisões, tornando-os assim os decisores com projeções para o e com futuro – agentes ativos da própria mudança.

45 frases de solidariedade que vão te ajudar a praticar esse ato

[1] Conceito de reciprocidade: dar sem esperar receber em troca; receber sem sentir a obrigação de dar em troca; e, trocar bens e serviços sem importância mercantil / lucro.

[2] Como a: social, sistémica, política, económica, ambiental, territorial, cultural, cognitiva, ética, entre outras


Autora
Helia Carla Amado
Educadora Social e voluntária do Projeto Velhos Amigos na Marinha Grande



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



No passado dia 16 de fevereiro de 2021 recebemos a Professora Doutora Margarida Pedroso Lima para mais um Encontro ao Serão da ATLAS – People Like Us. O tema do Encontro foi “Sexualidade depois dos 50”. Deixamos aqui algumas notas para quem não teve oportunidade de estar presente.


De acordo com Vilar (2003), até época recente, o modelo social dominante de valores e atitudes sobre a sexualidade era o “Modelo Reprodutivo”, o qual legitimava a vida sexual somente às funções reprodutivas, as quais só eram aceitáveis no contexto matrimonial. Os comportamentos sexuais não reprodutivos não eram moralmente aceitáveis e respeitados. E, porque as pessoas idosas já não estavam em idade reprodutiva (mesmo que os homens fossem férteis ao longo de toda a vida), a sexualidade, e especialmente a sexualidade feminina, era ignorada, escondida ou desrespeitada (Pereira 2010; Sanchez and Ulátia, 1998; Steinke, 1997).

O avanço do estudo da sexualidade humana, os debates públicos e os movimentos sociais em torno da sexualidade e dos direitos sexuais fizeram com que esta forma de entender a sexualidade fosse substituída por um novo modelo – um modelo recreativo e permissivo (Giddens, 1996; Cabral e Ferreira, 2010) e, neste novo contexto social e cultural, a vida sexual das pessoas idosas tem sido mais aceite e reconhecida.

No entanto, e apesar destas mudanças nas normas sociais e nas atitudes sobre a sexualidade, o modelo tradicional tem ainda muito peso entre as pessoas de idade avançada.

O Idadismo é um preditor negativo da sexualidade na velhice

Se aos 40 acharmos que a sexualidade vai decrescer com a idade é possível que aos 70 ou aos 80 não se tenha uma sexualidade ativa. Funciona como uma profecia que se auto cumpre em que quanto mais forte é a nossa crença maior a probabilidade de sofrermos com ela.

As nossas crenças enquanto comunidade levam a que adultos mais velhos encontrem dificuldades na expressão da sua sexualidade. As crenças podem limitar-nos e por isso é importante serem criados espaços de informação, desmistificação dos mitos e apresentação dos factos.

O que muda afinal com a idade?

O pico da maior parte das funções biológicas relacionadas com a idade ocorre antes dos 30 anos e declinam gradual e linearmente ao longo da vida. O declínio pode ser crítico sob condições de stress, mas normalmente tem pouco ou nenhum efeito sobre as atividades diárias. Portanto, as doenças, mais do que o envelhecimento normal, são a causa primária das perdas funcionais durante o envelhecimento.

Em muitos casos, o declínio relacionado com a idade pode ser decorrente do estilo de vida, comportamento, alimentação e meio ambiente, e, portanto, pode ser modificado. Importa referir que nem todas as funções estão em declínio e, sabesse hoje, que no que toca à capacidade de gestão emocional, existem melhorias significativas com a idade.

Os idosos relatam melhor bem-estar emocional do que os mais jovens – mesmo durante uma pandemia que os coloca em maior risco do que a qualquer outra faixa etária. Artigo original em Inglês: https://news.stanford.edu/2020/10/27/despite-covid-19-risks-older-people-experience-higher-emotional-well-younger-adults/

Os investigadores justificam esta melhoria por existir uma maior consciência da mortalidade e percepção da fragilidade da vida, o que leva as pessoas com idade avançada a viver o presente com mais intensidade, valorizando todos os momentos. A experiência de vida leva também a que exista um aumento da capacidade de antecipar e adaptar respostas emocionais. Diminui a frequência e a intensidade de emoções como a raiva e consegue-se encontrar um equilibrio emocional.

Isso significa que o sexo não muda?

Sim e não. Sabemos que tudo muda ao longo do nosso ciclo de vida, somos seres sexuais desde o momento em que nascemos mas a forma de vivenciar a sexualidade aos 5 anos é diferente aos 20, aos 40 e será certamente diferente aos 60, 80 anos. Do nascimento até à morte somos seres sexuais e passamos por vários processos adaptativos.

A vida sexual transforma-se constantemente ao longo de toda a evolução individual, porém só desaparece com a morte. (Myra e López, in Sexualidade Humana, 1993)

Um dos grandes problemas em questões de sexualidade é que a mesma é equacionada com a capacidade/frequência de relações sexuais, mas a sexualidade vai muito para além do coito. Somos seres complexos e expressamos a nossa sexualidade de múltiplas formas, desde a nossa identidade, a imagem que apresentamos, aos erotismos, a sedução, as carícias. É hoje cientificamente consensual que a atividade sexual e a satisfação com a mesma são benéficas para o bem-estar psicológico e físico em adultos em idade avançada, reduzindo o stress físico e mental decorrente de doenças associadas ao envelhecimento (DeLamater, 2012; Traeen B, 2017).

Se queremos ter uma sexualidade ativa aos 60, 80…. Há que praticar! A nossa função sexual está muito relacionada com a nossa saúde física. Hábitos de vida saudáveis levam a uma sexualidade positiva mais anos.

Ninth Circuit Blog: Case o' The Week: Use it Or Lose It (Then Win It) -  Yepiz, Jury Selection, and Rule 24
Use It or Lose It, em português “Usa-o ou Perde-o”.

Referências

DeLamater, J. (2012). Sexual expression in later life: A review and synthesis. Journal of Sex Research, 49, 125-141.

Giddens, A.(1996) As transformações da Intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas, Oeiras, Celta

Pereira, A.R. (2010) A Sexualidade na terceira idade: perspectiva do idoso institucionalizado, Dissertação de Mestrado disponível na Mediateca da Universidade Lusíada de Lisboa

Sanchez, F., Ulátia, J. ((1998) Sexualidade en la Vejez, Madrid, Pirâmide

Steinke, e. (1997) Sexuality in Aging: implications for mursing facility satjj, The jornal of Continuing Education in nursing, 39-6.

Traeen, B. (2017). Sexuality in Older Adults (65+)—An Overview of The Recent Literature, Part 2: Body Image and Sexual Satisfaction.International Journal of Sexual Health, 29:1, 11-21.

Vilar, D. (2003) Falar Disso, Porto, Afrontamento

Villaverde Cabral, M., Ferreira, P. (org) (2010) ) Sexualidades em Portugal, Lisboa, Bizancio



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O Dia Mundial da Justiça Social, comemorado desde 2009 a 20 de fevereiro, foi uma data proposta em 2007 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, de acordo com a Resolução A/RES/62/10. O objetivo do Dia é promover esforços para enfrentar questões como a pobreza, o desemprego e a exclusão, tentando criar oportunidades para todos e combater as desigualdades no mundo.

Injustiças Sociais em 2021

Vivemos ainda num mundo marcado por várias e diversas injustiças sociais. Todos os dias, local e mundialmente, pessoas são excluídas socialmente pela sua história de vida, pelo género, pela raça, pela etnia, pela religião, pela doença e pela capacidade sócio-económica.

Em 2021 lidamos ainda com a pandemia Covid-19, que causou uma crise sem precedentes em todo o mundo. Estamos todos a viver os efeitos deste momento tão difícil na história. Porém, para uma grande parcela da população, a crise é vivenciada de forma ainda mais intensa e preocupante, devido às desigualdades sociais. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2020, 2,037 milhões de portugueses encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social. Na imagem seguinte percebemos que o risco de pobreza e exclusão social tem diminuido ao longo dos anos, ainda assim, 19,8% da população portuguesa encontra-se numa situação de extrema vulnerabilidade.

A luta pela Justiça Social

Quer seja a nível local, nacional ou internacional, pela sociedade civil organizada ou pelos governos, a luta pela justiça social é premente e leva-se a cabo, acima de tudo, através de uma:

  • Justiça Social preventiva: Aquela que garante políticas de informação, educação e capacitação para a igualdade.
  • Justiça Social interventiva: onde se integram as Políticas Sociais que permitem o (re)equilíbrio da pessoa na sociedade.

O papel do estado

A luta pela Justiça Social pode ser feita por todos nós (ver infográfico no fim da página) mas é de evidenciar o papel do Estado sendo que, de acordo com a Constituição da República Portuguesa, é dever do mesmo:

“b) Promover a justiça social, assegurar a igualdade de oportunidades e operar as necessárias correções das desigualdades na distribuição da riqueza e do rendimento, nomeadamente através da política fiscal;”

Artigo 81.º b) “Incumbências prioritárias do Estado” da Constituição da República Portuguesa

4. A tributação do consumo visa adaptar a estrutura do consumo à evolução das necessidades do desenvolvimento económico e da justiça social, devendo onerar os consumos de luxo.

Artigo 104.º “Impostos” da Constituição da República Portuguesa

O papel de cada um de nós

Partilhamos um infográfico do que cada um de nós, cidadãos e cidadãs, pode fazer.

Dia Mundial da Justiça Social – Infográfico ATLAS – People Like Us


POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O Dia do Doente Coronário celebra-se todos os anos a 14 de fevereiro. A data foi institucionalizada pela Fundação Portuguesa de Cardiologia e comemora-se por todo o espaço da Comunidade Europeia. As doenças crónicas incluem doenças como a diabetes, cancro ou asma. Abordamos, de seguida, a sintomatologia associada.

Doença Coronária

A doença crónica é uma doença não transmssível, que se prolonga ao longo da vida, não se resolve espontaneamente e não tem cura (Center for Managing Chronic Disease (CMCD, 2015)).

“as doenças cronicas (…) são, de longe, a principal causa de mortalidade no mundo, representando 60% de todas as mortes. Dos 35 milhões de pessoas que morreram de doença crónica em 2005, metade tinha menos de 70 e eram mulheres”.
Organização Mundial de Saúde (2005)

Barros (2003) afirma que cada doença crónica é unica, pois enquanto umas podem acompanhar o sujeito durante toda a vida sem redução de sintomas, outras podem possuir prognósticos a curto ou médio prazo; umas podem implicar alterações pouco significativas na vida do doente, enquanto outras podem alterar significativamente a sua vida e levar a imensas restrições e à adsão a terapêuticas muito severas.

Para uma patologia ser considerada uma doença crónica, tem que mostrar uma ou mais das seguintes caracteristicas: provocar incapacidade, ser causada por alterações patológicas irreversíveis, necessitar de supervisão por longos períodos de tempo (OMS, 2005). Esta pode começar por uma condição aguda, normalmente insignificante, prolongando-se através de vários episódios de agarmento e remissão (Martins, França & Kimura, 1996). Manifestam-se através da interação de factores genéticos e factores ambientais externos (Hui, 2015).

Doença crónica nos idosos

Os idosos são a população mais afetada pelas doenças crónicas. A incidência de doenças como a hipertensão artial, o cancro, a diabetes e patologias cardiovascular aumenta com a idade. Para além destas doenças, a diabetes a depressão e a osteoartose, são algumas das doenças mais prevalentes entre os idosos. Esse aumento deve-se à interação entre factores genéticos predisponentes, factores fisiológicos de envelhecimento e factores de risco modificáveis como tabagismo, ingestão alcoólica excessiva, sedentarismo, consumo de alimentos não saudáveis e obesidade (Wong & Wong, 2005).

O lugar comum na luta pelo controle das doenças crônicas é a prevenção, primária ou secundária. Quando as condições crônicas são mal gerenciadas, os encargos de saúde tornam-se excessivos. Os profissionais de saúde têm como missão motivar a população a manter hábitos de vida mais saudáveis, além da manutenção e seguimento médico regular a fim da realização de diagnóstico precoce, caso essas condições se manifestem. 

O objetivo destes cuidados é não só aumentar o tempo de vida como a sua qualidade. O maior desejo é manter independência e  autonomia de cada indivíduo pelo maior tempo possível (Martins, França & Kimura, 1996). Nos cuidados específicos ao paciente idoso, com todas as suas caracteristicas e presença frequente de várias doenças associadas, torna-se, ainda mais importante a educação em saúde e uma abordagem holística. É importante que o idoso tenha informações sobre as doenças existentes, prevenção e tratamento, para que possa realmente sentir o quanto pode fazer por si mesmo. Os profissionais de saúde também devem contemplar o todo, o ser bio-psico-social (Barros, 2004).

Os tratamentos propostos, devem ser adequados a cada indivíduo. Para uma atenção global ao idoso, deve-se ter cada vez mais a certeza de que há grande benefício na atuação de equipas multidisciplinares, em todas as etapas do processo saúde-doença, seja na prevenção e compensação de doenças crónicas ou reabilitação.

Manter um estilo de ida saudável é uma forma de prevenir as doenças coronárias. 14 de fevereiro – Dia Nacional do Doente Coronário

Referências

Barros, B., Souza, C. & Kirsztajn, G. (2004). Qualidade de vida de pacientes portadores de glomerulopatias. In Pais-Ribeiro, J. & Leal, I. (Editores). 5º Congresso Nacional Psicologia da Saúde – A Psicologia da saúde num mundo em mudança. ISPA Edições. Lisboa.

Center for Managing Chronic Disease (CMCD). (2015). American adults more likely than europeans to be diagnosed with, treated for chronic diseases. Acedida a 2 de Fevereiro 2021 em http://www.medicalnewstoday.com/releases/83960.php

Hui, L. (2015). Aging and chronic disease as independent causative factors for death and a programmed onset for chronic Disease. Archives of Gerontology and Geriatrics, 60, 178–182.

Martins, L. M., França, A. P. D. & Kimura, M. (1996). Qualidade de vida de pessoas com doença crónica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 4 (3), 5-18.

Organização Mundial de Saúde (OMS). (2005). Cuidados inovadores para condições crónicas: componentes estruturais de ação.

WONG J, WONG S: Evidence-based care for the elderly with isolated systolic hypertension. Nursing and Health Sciences 2005; 7: 67-75

Autora do artigo

Cláudia Silva

Psicóloga na ATLAS, Formada em Psicologia Sistémica e Familiar, com formação em Terapia do Luto com crianças e adultos.



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.